TOPdesk

Influências, Referências e Inspirações: São Bernardo

Publicado em 05/10/2010 em Influências e Referências,Livros

O livro narra em 1ª pessoa a trajetória Paulo Honório na sua gananciosa, desumana e violenta busca em se tornar um poderoso latinfundiário.

Quem já viu o filme Sangue Negro (There Will Be Blood, 2007) pode achar semelhanças com a obra de Graciliano Ramos, frequentemente considerada uma das maiores da nossa literatura.

Abaixo reproduzo alguns dos trechos mais emocionantes do livro:

Cinqüenta anos! Quantas horas inúteis! Consumir-se uma pessoa a vida inteira sem saber para quê! Comer e dormir como um porco! Como um porco! Levantar-se cedo todas as manhãs e sair correndo, procurando comida! E depois guardar comida para os filhos, para os netos, para muitas gerações. Que estupidez! Que porcaria! Não é bom vir o Diabo e levar tudo? Sol, chuva, noites de insônia, cálculos, combinações, violências, perigos e nem sequer me resta a ilusão de ter realizado obra proveitosa.(…)

As criancinhas, nos casebres úmidos e frios, inchariam roídas pela verminose. E Madalena não estaria aqui para mandar-lhes remédio e leite. Os homens e as mulheres seriam animais tristes.

Bichos. As criaturas que me serviram durante anos eram bichos. Havia bichos domésticos, como o Padilha, bichos do mato, como Casimiro Lopes, e muitos bichos para o serviço do campo, bois mansos. Os currais que se escoram uns aos outros, lá embaixo, tinham lâmpadas elétricas. E os bezerrinhos mais taludos soletravam a cartilha e aprendiam de cor os mandamentos da lei de Deus.

Bichos. Alguns mudaram de espécie e estão no Exército, volvendo à esquerda, volvendo à direita, fazendo sentinela. Outros buscaram pastos diferentes.

Mais sobre o livro São Bernardo no Wikipedia.

Graciliano Ramos no Wikipedia.

Análise da livro.

Lixeira

Publicado em 04/10/2010 em Histórias Reais,SUPORTE - A Série

Clique aqui para ver mais tirinhas baseadas em casos reais.


Lançada edição n.18 da Revista Espírito Livre

Publicado em 01/10/2010 em Publicações,SUPORTE - A Série

Nessa edição contribuí com uma tirinha baseada numa história real enviada por Mr. Moura na comunidade do Suporte no Orkut.

Clique aqui para baixar a revista.

Morre Arthur Penn, diretor de “Bonnie & Clyde”

Publicado em 29/09/2010 em Arte,Por aí...

Arthur Penn, diretor dos filmes como “Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas” (1967) morreu nesta terça-feira à noite, um dia após ter completado 88 anos, informou hoje o diário “The New York Times”.

Evan Bell, amigo pessoal do cineasta durante 25 anos, disse que o cineasta ficou doente por quase um ano, mas não deu mais detalhes sobre a morte. Penn foi três vezes indicado ao Oscar de Melhor Diretor por “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), “Bonnie & Clyde: Uma Rajada de Balas” (1967) e “Deixem-nos Viver” (1969).

“Bonnie & Clyde” (considerado por Scorsese um dos seus filmes preferidos) é uma obra-prima revolucionária. Seu final antológico e extremamente violento inspirou, entre outras coisas, a cena da morte de Sonny Corleone em “O Poderoso Chefão”.

Trailler de Bonnie & Clyde

Arthur Penn no Wikipedia.

Arthur Penn no IMDB.

Suporte mesário

Publicado em 29/09/2010 em SUPORTE - A Série


Hall de Usuários Memoráveis (Parte 2)

Clique aqui para ver mais integrantes do Hall.


Gérson ajudando na campanha do Top Blog

Publicado em 27/09/2010 em Publicações,SUPORTE - A Série

Computador possuído

Publicado em 24/09/2010 em Histórias Reais,SUPORTE - A Série

Clique aqui para ver mais histórias reais.


As discussões sobre a mídia

Publicado em 22/09/2010 em Jornalismo,Por aí...


Artigo de Luis Nassif

Dois especialistas respeitados, Cláudio Weber Abramo e Eugênio Bucci, discorrendo sobre os conflitos Lula x mídia; e Mônica Waldvogel tentando arrancar ameaças à liberdade de imprensa.

Em nenhum momento abordam a essência da velha mídia, a falta de um ambiente competitivo, as distorções na Justiça impedindo o direito de resposta.

Abramo insiste na tese de que parte relevante das denúncias contra a Casa Civil foi confirmada.

As denúncias comprovadas: jogo de lobby do filhos de Erenice Guerra e de seus companheiros prometendo facilidades.

As denúncias não comprovadas. Só essas:

1. O lobista que disse que entrou no apartamento de Erenice sem caneta, ou qualquer objeto que pudesse ter gravador, e negociou pagamento de R$ 4,5 milhões.

2. A informação de que Erenice teria dito que o dinheiro ia para “a chefe”.

3. A informação de que o BNDES vetou um financiamento de R$ 9,2 bilhões a um escroque (que sequer tinha um contrato assinado com a empresa fabricante) por não ter pago uma propina à Casa Civil.

4. O besteirol sobre a propina do Tamiflu.

5. A não comprovação de que tenha ocorrido qualquer uma das facilidades oferecidas.

Bucci tem visão mais sistêmica. Entende a imprensa como algo que vai além dos veículos. Seu problema é analisar um modelo ideal que não existe na prática. Dizer que o Judiciário é ameaça à imprensa é ignorar que não existe defesa hoje em dia para vítimas da imprensa, especialmente contra os grandes grupos, que não existe o direito de resposta. Ao afirmar que que há diversidade nos veículos simplesmente passa por cima da estrutura de formação da opinião midiática: o sistema dos grandes jornalões de São Paulo e Rio, mais Abril e principalmente a Globo.

Os dois entrevistados dividem a mídia em dois grupos: o jornalismo empresarial, livre, não partidário; e a imprensa do interior, manipulada. Bucci é mais ponderado, inclusive reconhecendo abusos da mídia e admitindo que nunca o país atravessou uma fase de liberdade de imprensa como a atual.

Mônica Wandovgel insiste em teorias conspiratórias, diz que paira a ameaça sobre a “lei dos meios”. Prova disso: emails que recebe de leitores irados. Ponderado, Bucci considera que Brasil não é Venezuela. Mas Abramo diz que tudo se pode esperar já que ele próprio divide o mundo entre a virtude (a imprensa empresarial) e o banditismo (o sistema político).

Abramo considera que a única forma válida de jornalismo é o da redação convencional. E a imprensa só melhorará se houver desenvolvimento econômico porque com mais desenvolvimento haverá mais demanda por informação. Ou seja, os defeitos da imprensa – se existirem – se devem à falta de desenvolvimento. O pai Cláudio Abramo certamente seria um pouco mais sofisticado em suas análises.

Bucci entende que a maneira de melhorar a imprensa é aumentar a liberdade de imprensa: uma maneira sutil de dizer que é necessário mais competição na mídia. Dentro das limitações de, hoje em dia, fazer a crítica à mídia respeitando limites estreitos – para não ser banido do espaço conquistado – Bucci se comporta com isenção.

Leia mais em http://www.advivo.com.br/luisnassif

Siga Luis Nassif no Twitter.

45

Publicado em 22/09/2010 em Humor,Por aí...
© 2017 Vida de Suporte | Feito com Wordpress - Desenvolvimento por Dk Ribeiro